fbpx
medicina do estilo de vida

Medicina do estilo de vida: saiba como aplicar o conceito no seu consultório

Você sabe o que é a medicina do estilo de vida? Também conhecida como lifestyle medicine, ela se diferencia das abordagens mais tradicionais, visto que busca tratar a causa da doença em vez dos sintomas provocados por ela. Desse modo, evita-se o consumo de altas quantidades de medicamentos e procedimentos hospitalares.

Em 1979, Alvin Toffler usou o conceito de lifestyle pela primeira vez. Em seu discurso, o estilo de vida seria determinante para definir o bem-estar das pessoas a curto e a longo prazo. Com isso, os hábitos diários ― como dormir mal, ser sedentário, consumir alimentos gordurosos e ricos em sal, estresse, entre outros ― refletiriam nos mecanismos biológicos que impactam o corpo. Assim, podendo causar envelhecimento precoce, sistema imunológico frágil, estresse oxidativo, disfunção metabólica e outros problemas que afetariam a saúde.

Para entender melhor sobre a medicina do estilo de vida, continue a leitura!

O que é a medicina do estilo de vida?

Ela promove mais saúde por meio da prática clínica multiprofissional. Com isso, visa-se reduzir diversas doenças, como diabetes, problemas respiratórios crônicos, câncer, entre outros. Em outras palavras, é uma abordagem cujo objetivo é diminuir complicações causadas por uma vida desregrada e sem muitos cuidados.

Infelizmente, o mundo caminha para processos cada vez menos saudáveis. E isso está relacionado à má alimentação e redução da prática de atividades físicas. Afinal, a cada nova tecnologia, as pessoas ficam mais acomodados e se movimentam menos. Nesse caso, é impossível conter essa evolução e, sejamos coerentes, ela é fundamental para o desenvolvimento da humanidade.

A solução, portanto, é a medicina do estilo de vida. Ela tem por objetivo abordar seis pilares diferentes que visam diminuir o impacto causado pela inflamação crônica que gera uma série de outros problemas. Nesse contexto, temos os seguintes pontos:

  • prática de atividades físicas de moderada a intensa, sempre respeitando a individualidade do paciente;
  • alimentação saudável, evitando produtos industrializados, ricos em carboidratos simples e gorduras saturadas;
  • cuidados com a saúde do sono, respeitando horários de deitar e acordar, bem como o aprofundamento alcançando o nível conhecido como REM;
  • controle de contato com elementos tóxicos existentes em alimentos, produtos de higiene, beleza e limpeza;
  • cuidados com a saúde mental;
  • adoção de suplementação nutracêutica.

À vista disso, é possível verificar que a medicina do estilo de vida é um trabalho multidisciplinar. Ou seja, envolve o próprio prescritor, profissionais da educação física, nutrição, psicólogos, entre outros.

Qual é o objetivo da medicina do estilo de vida?

Com base no conceito mencionado, podemos afirmar que o foco principal desse segmento é estimular que os pacientes criem rotinas saudáveis, de modo a modificar o estilo de vida. Consequentemente, evitando a possibilidade do desenvolvimento de doenças graves. Além disso, busca promover o bem-estar, seja com mais saúde mental, sono regular, disposição no dia a dia, entre outros aspectos.

Desse modo, é essencial criar alguns hábitos, como:

  • não fumar;
  • não consumir bebidas alcoólicas em excesso;
  • estar no peso adequado;
  • prezar por uma alimentação equilibrada;
  • praticar atividades físicas rotineiramente.

Nesse sentido, a criação de hábitos mais saudáveis atinge cada um dos seis fundamentos da medicina do estilo de vida. Além disso, é preciso ter um trabalho muito forte na parte emocional. Afinal, manter-se alinhado em todos esses focos pode ser difícil para algumas pessoas, principalmente quando o assunto é abandonar certos vícios como o cigarro e o álcool.

Quais são os resultados ao implementá-la na rotina?

Segundo pesquisas, ao adotar, pelo menos, dois desses hábitos mencionados, pode-se reduzir em cerca de 30% as chances de desenvolver uma doença cardíaca a longo prazo. Já se o paciente praticar cinco hábitos, o risco de ter alguma enfermidade desse tipo chega a 10%. Ou seja, há uma redução significativa de quase 90%.

Logo, pode-se promover uma vida com qualidade e longevidade. Além disso, o paciente contará com saúde e bem-estar para ter uma rotina mais confortável e com muita disposição para fazer as suas atividades diárias.

Como essa prática difere das outras abordagens médicas?

A medicina tradicional pressupõe a observação de sintomas para encontrar um diagnóstico. Assim, o prescritor pode orientar o paciente quanto ao tratamento para resolver os problemas detectados. Contudo, um dos grandes desafios dessa abordagem é atacar as causas das enfermidades. Muitos dos tratamentos que temos atualmente focam apenas na solução de efeitos colaterais. Portanto, a enfermidade evolui, aumentando a necessidade de aplicação de medicamentos para controlar os males causados por ela.

A medicina do estilo de vida tem filosofia e forma de aplicação diferente quando comparada às demais abordagens médicas, como a preventiva, a funcional, a integrativa, entre outras. Por exemplo, a medicina alternativa usa várias práticas que não são consideradas convencionais, por isso, o nome. Nela, o paciente poderá fazer acupuntura, cromoterapia, terapia com florais, etc. para tratar e prevenir o desenvolvimento de algum problema de saúde.

Já a medicina funcional tem a preocupação de manter o equilíbrio em todos os processos do corpo. Portanto, atua no controle do metabolismo celular, no bom funcionamento da digestão, no balanço adequado da destoxificação etc. Ademais, pode-se afirmar que cada medicina mencionada tem o seu estilo de atuação e um objetivo específico. Desse modo, elas contam com particularidades variadas para alcançar a sua finalidade.

Vale a pena ressaltar que esse processo não pretende acabar com a medicina tradicional. Isso está muito longe de acontecer e é muito provável que não testemunhemos esse momento. Inclusive, é importante mencionar que ela é essencial. Essa abordagem mais abrangente visa complementar o trabalho já realizado pelos tratamentos convencionais.

À medida que as causas das enfermidades são removidas, o paciente tem a chance de abandonar os medicamentos de modo gradual. Naturalmente, quando isso for possível e sempre analisando os exames e a observação clínica.

Qual é a importância da atualização nesse processo?

Além de entender como funciona a medicina do estilo de vida, é importante se manter sempre atualizado durante esse processo. Isso porque, frequentemente, surgem novas abordagens e alternativas de tratamento. Por exemplo, o desenvolvimento de nutracêuticos e suplementos alimentares cresce com muita velocidade. Hoje, temos produtos modernos que favorecem em muito a absorção de alguns nutrientes.

Além disso, é fundamental ter atenção à implementação de tratamentos multidisciplinares, reunindo profissionais da área da saúde que estão alinhados com esse tipo de medicina. Também devemos destacar os fundamentos relacionados aos tratamentos de precisão, analisando o paciente na totalidade e oferecendo a opção mais adequada para ele.

Agora, você já sabe como é importante aplicar a medicina do estilo de vida nos consultórios, certo? Dessa maneira, será possível estimular hábitos saudáveis em conjunto à prática clínica multiprofissional, de modo a promover mais qualidade de vida e bem-estar aos pacientes.

Este artigo foi útil para você? Então, assine nossa newsletter e receba mais informações de qualidade direto no seu e-mail!

Converse com especialista

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.